quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Sade: A Águia, Mademoiselle...


Uma edição de 1991 da Bertrandt, escrita por Jean Dufaux (Murena, Niklos Koda, Rapaces, Djinn, etc.) e com arte de Griffo (Vlad). A obra baseia-se nos escritos de Sade, a maior parte deles escritos nos 32 anos que passou na prisão, e é aqui na prisão que decorre praticamente toda a trama e seu cenário. Já agora, e como curiosidade, "L’Aigle, Mademoiselle…" foi uma carta escrita na prisão para a sua mulher, cuja adaptação do texto está neste livro de BD.
Dufaux, como argumentista exímio do mundo da 7ªarte, joga com as ligações entre ficção e realidade, mas neste livro achei a narrativa algo confusa... tudo gira à volta de uma companhia de teatro completamente louca e que vai representar obras de Sade. O cenário é a prisão onde Sade passou grande parte da sua vida, e como única ligação do mundo da ilusão à realidade, temos um telefone. Esta era a única maneira de contactar com o director! O que acontece é que dentro do teatro ficção, temos um outro teatro real, que também o não é... como disse atrás, é um pouco confuso!
A arte de Griffo foi o que me levou a adquirir este livro. É excelente no detalhe dos cenários, onde tem algumas vinhetas verdadeiramente assombrosas. Tem um belo jogo de cumplicidade com o escritor, infelizmente acho que Dufaux não teve à altura de Griffo nesta obra.
Outra curiosidade desta obra (que os autores não pretendem que seja entendido como um estudo psicológico ao Marquês de Sade), é a imposição de Depardieu para encarnar Sade!
E o livro termina com uma citação de A.P. de Mandiargues:
"É um homem, sim, que dá festas. Como poderemos não nos deleitar com ele, se nos convida para o seu teatro?"

"Pessoas de bem, sobretudo, deixem a moral no vestiário!..."

Boas leituras (e tenham variedade na vossa colecção de BD...)
:)

Hardcover
Criado por: Jean Dufaux e Griffo
Editado em 1991 por Bertrandt
Comprado na Serpis
Nota: 7 em 10
Deixa o teu comentário

Enviar um comentário