quinta-feira, 25 de junho de 2009

Return to Wonderland


Depois do extraordinário sucesso da série Grimm Fairy Tales, que já vai na sua quinta compilação (TPB) e na sua quadragésima revista (isto para não falar nas já várias reedições do volume 1 e volume 2), surgiu este excelente “spin-off”: Return to Wonderland. A Zenescope é uma pequena editora que apostou numa leitura para adultos (ou adolescentes mais “crescidos”), com base nas nossas estórias de crianças, mas com desenvolvimento mais virado para o terror, e não para as criancinhas adormecerem felizes. Aliás, muitas delas, sobretudo nas Grimm Fairy Tales, colam-se à estórias originais dos irmãos Grimm, que não eram propriamente para crianças. Para além disso ainda têm outros títulos de sucesso (dentro do mesmo género, como "S7ven", "The Piper" e "1001 Arabian Nights: The Adventures of Sinbad"!
Falando especificamente do “Return to Wonderland”, este faz uma volta espectacular ao mundo de “Wonderland”, mas desta vez a protagonista é a filha de Alice (Alice no País das Maravilhas). Claro que aqui as “maravilhas” são horríveis, o coelhinho branco tem um ar absolutamente de um filme de terror e a Alice, agora casada e mãe de duas crianças está atacada por doenças do foro psiquiátrico. Nunca recuperou da sua visita ao “país das maravilhas”…
A arte é muito boa, pode parecer ao princípio um pouco de plástico, mas depois verifica-se que pela sua consistência, que está num bom patamar. As capas são autênticas galerias de “pin-ups”, muito boas, já propositadamente para chamar um público mais adulto! Quanto à estória, esta não é nada daquilo que qualquer leitor incauto poderá pensar! É uma transformação de tudo quanto era bonito e doce em algo de monstruoso e terrível!
A estória está cheia de raparigas bonitas e com um ar verdadeiramente sexy! Mas os detractores deste género que apela às hormonas masculinas, normalmente rendem-se a 100% à estória e á sua arte, como pude constatar em muitas críticas e entrevistas pelo mundo da internet.
Alice nunca recuperou muito bem da sua visita ao “País das Maravilhas”, apesar de ter constituído família quebrou muito psicologicamente, tendo cometido várias tentativas de suicídio depois de voltar de “Wonderland”. Para ajudar à festa, o seu marido engana-a com a sua secretária (de duas pernas) tendo ele próprio hábitos sexuais muito próprios. Os seus filhos, como não podia deixar de ser, são indivíduos com uma personalidade algo desestruturada (sobretudo o filho mais novo). A sua filha Calie (anagrama de Alice), apesar de ser uma inveterada “party-girl”, e já com tendência para ingerir cogumelos alucinogénios, ainda era quem tomava conta minimamente da mãe, que vegetava no mundo dos sonhos (uma parte do seu espírito nunca tinha abandonado o País das Maravilhas). A acção começa a tomar forma com a oferta de um animal doméstico a Alice, um coelho branco (com um ar absolutamente maquiavélico), e é a partir daqui que tudo começa e que todas as revelações são feitas sobre a dimensão paralela de Wonderland. Também se revela o que tinha de ser feito para esta dimensão louca e macabra não se misturar com a nossa, situação esta que só a família de Alice pode evitar… e a que custo!
É uma boa leitura de entretenimento!
Boas leituras!

Hardcover
Criado por: Raven Gregory, Daniel Leister, Ralph Tedesco e Nei Ruffino
Editado em 2008 por Zenescope
Comprado Amazon
Nota : 8,5 em 10
Deixa o teu comentário

Enviar um comentário