domingo, 28 de fevereiro de 2010

War of Kings


Esta é a sequência natural de Annihilation, War of Kings! Com raízes em “Secret Invasion” (ler Secret Invasion: Inhumans), e em “X-Men: Kingbreaker” chega esta última saga cósmica, em que os autores são os mesmos de Annihilation / Annihilation: Conquest: Dan Abnett e Andy Lanning. Aliás, estes dois autores têm estado em tudo quanto meta espaço cósmico! São também responsáveis pela série “Nova” e pela excelente publicação “Guardians of the Galaxy”, embora neste mega crossover CB Cebulski também esteja aqui representado com a parte respeitante a Darkhawk. Como tenho estado muito entusiasmado com esta linha cósmica da Marvel, esperava ansiosamente por esta super-compilação de 500 páginas que contem: War of Kings 1-6, War of Kings: Ascension 1-4, War of Kings: Darkhawk 1-2, War of Kings: Warriors, War of Kings: Who Will Rule?, War of Kings: Savage World of Skaar, e Marvel Spotlight: War of Kings.
A arte nestas séries cósmicas tem sido muito regular e competente. Sem ser extraordinária tem os seus momentos… gosto particularmente da arte em “War of Kings: Ascension” por Wellinton Alves. Quanto à narrativa, esta agrada! O leitor fica bem “agarrado” e joga-se em todos os cenários possíveis, desde o espaço Kree até ao planeta Sakaar passando pelo Império Shi´ar, Negative Zone e indo aos confins do espaço! Personagens… bem são muitas e com importância repartida… família Real Inumana, Lilandra, Starjammers, Starhawks, Vulcan, Gladiator, Guardians of the Galaxy, etc., etc.
Apresentando um pouco da acção, esta começa quando os Inhumans se recusam a ter um papel secundário no desenrolar de tudo o que se passa no Cosmos, isto depois da crise Skrull (Secret Invasion) em que o seu Rei foi raptado e substituído pelos Skrulls. Aliam-se aos Kree, a raça que os fabricou, e para fortalecer essa aliança Crystal torna-se noiva de Ronan. O ambicioso e sanguinário imperador Vulcan (Shi´ar) manda a sua guarda pessoal atacar o casamento de Ronan e Crystal… com o Gladiator à cabeça do ataque, este é devastador e faz surgir mais uma vez a raiva dos Inhumans e dos Kree. A guerra é declarada e é sem quartel! No meio desta confusão move-se a ex imperatriz Shi´ar, Lilandra, Guardians of the Galaxy e os Starjammers. O rei dos Inhumans decide-se pelo uso da arma final, uma poderosa bomba feita à base dos cristais que provocaram a mutação dos Inumanos… esta provoca a tal fenda espácio-temporal que o Starhawk original queria evitar (Guardians of the Galaxy)!
A estória move-se em diferentes frentes, que em diversas fases convergem para um pico emocional, para logo de seguida divergirem novamente para diferentes linhas de acção. Está bem interessante este War of Kings!
O que é que Dan Abnett e Andy Lanning vão inventar a seguir? Depois de tantos eventos fracturantes como irá ficar hierarquizada a Galáxia?
Para quem gostou das diversas fases de Annihilation / Annihilation: Conquest este é um livro a ler com certeza!
O próximo livro a apresentar são os dois tomos de Guardians of the Galaxy: War of Kings onde cai o pano sobre esta saga.

Hardcover
Criado por: Dan Abnett, Andy Lanning, C. B. Cebulski, Christopher Yost, Wellinton Alves, Wesley Craig, Bong Dazo, Andrea DiVito, Paul Pelletier, Harvey Tolibao, Brad Walker e Dustin Weaver
Editado em 2009 por Marvel
Nota: 9 em 10
Deixa o teu comentário

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Divulgação CNBDI: Exposição Héctor Gérman Oesterheld, O Homem como Unidade de Medida


O Centro Nacional de Banda Desenhada e Ilustração (sediado na Amadora) encerra no próximo dia de 6 de Março uma exposição sobre este emblemático autor argentino e convida todos os amantes de BD para este evento. Estarão presentes algumas personalidades conhecidas, como é indicado no "press release":

CNBDI promove encontro
sobre HG Oesterheld

O Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem - CNBDI (Avenida do Brasil 52 A Amadora) – promove, no próximo dia 6 de Março, pelas 15 horas, um encontro para assinalar o encerramento da exposição Héctor Gérman Oesterheld, O Homem como Unidade de Medida.

Pretende-se neste Encontro – que através de videoconferência contará com a participação dos comissários da exposição que se encontram nas cidades de Buenos Aires e Milão – abordar um conjunto de questões no âmbito da banda desenhada, designadamente, o argumento na BD, a relação entre escritores e desenhadores, a arte de narrar de HG Oesterheld, a sua importância na historieta argentina e a influência que teve em sucessivas gerações de artistas em todo o mundo, mas não ficar apenas por aí.
Tendo em conta também a vida de Oesterheld, o seu empenhamento cívico e político, durante a ditadura nos anos 70, e o trágico desfecho do seu desaparecimento, o convite foi alargado à participação de outras pessoas e entidades como, por exemplo, a Casa da América Latina e a Amnistia Internacional que enriquecerão o debate trazendo um conjunto de outros temas à discussão, no âmbito da história da Argentina e dos direitos humanos, que permitirão um melhor conhecimento das múltiplas dimensões da obra de HGO.
O encontro terá a participação, no CNBDI, de João Miguel Lameiras, Pedro Moura, Maria José Pereira, António Amaral, David Soares, entre outros, sendo moderado por Pedro Mota.

Vou falar um pouco mais deste pioneiro da ficção-ciêntifica em Banda Desenhada, Héctor Germán Oesterheld. Nasceu em Buenos Aires, Argentina, 1919. Em 1958 começou a escrever o El Eternauta, talvez a sua obra mais aclamada e conhecida. A sua obra começa a ter uma grande intervenção política com a parte "II" do El Eternauta! De notar que outra obra bastante conhecida foi editada entretanto: Mort Cinder. Depois disto, e ao fim de um ano da morte de Che Guevara, faz a biografia deste, sendo esta retirada imediatamente de circulação pelo governo. Pouco de pois edita nova biografia, desta vez de Eva Péron, sendo esta de carácter crítico e mordaz, e dedicada a Che Guevara. Em 1976 "desaparece" às mãos da polícia política, um ano depois e nos mesmos moldes as suas quatro filhas são presas pela polícia que as faz "desaparecer" de igual maneira. Assim desapareceu um grande autor de Banda Desenhada...
Deixa o teu comentário

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Lançamento Edições tinta-da-china: As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy


Este lançamento foi uma surpresa para mim, sobretudo pela origem dos autores! Um português, Filipe Melo, e um Argentino, Juan Cavia. Filipe Melo é o responsável pelos textos mas ainda não é pela BD que é conhecido! É o autor da curta-metragem de terror "I'll See You In My Dreams", vencedora de uma dúzia de prémios internacionais incluindo o Fantasporto de 2004. Por falar em Fantasporto, não é só o Zona Fantástica que vai ser lançado nesse certame, este novo projecto "As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy" irá ser lançado neste festival no dia 5 de Março no Rivoli.
Bom, mas têm todas estas informações bem detalhadas no "press release" da Editora tinta-da-china:

AS INCRÍVEIS AVENTURAS DE DOG MENDONÇA E PIZZABOY

Novela gráfica de Filipe Melo e Juan Cavia, um livro Edições tinta-da-china.

Lançamento do livro:
5 de Março de 2010, 18h, Rivoli Teatro Municipal, Porto.
Inserido na programação do FANTASPORTO 2010 ,
com o apoio da Qual Albatroz

As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy é um projecto pioneiro em Portugal, uma novela gráfica de 120 páginas, publicada pelas Edições Tinta-da-China, e prefácio a cargo do grande John Landis, realizador de filmes de culto como American Werewolf in London e Michael Jackson's Thriller.
Um jovem distribuidor de pizzas, um ex-lobisomem de meia-idade e um demónio de seis mil anos serão os únicos capazes de fazer frente às forças do mal que ameaçam a Humanidade. Três amigos e uma cabeça de gárgula serão os responsáveis por uma viagem demente que fará com que cruzem os limites da imaginação.
Este é um projecto da produtora "O Pato Profissional" - dedicada às artes do fantástico e do improvável.
O grande mentor do projecto, criador da ideia original e argumentista, Filipe Melo - que escreveu e realizou fenómenos de culto, como a curta-metragem cinematográfica "I´ll See You In My Dreams" (vencedor Fantasporto 2004, 250 mil espectadores em sala) e a série televisiva "Um Mundo Catita", exibida por três vezes na RTP - é músico profissional, professor, compositor, arranjador, e célere seguidor do género fantástico.
Reunindo uma equipa de jovens talentos - Juan Cavia (DESENHO), Santiago Villa (COR) e Martin Tejada (ADAPTAÇÃO), a história ganhou forma e tornou-se real.
Se gostou de "Gremlins", "Big Trouble in Little China" e do famoso jogo "The Secret of Monkey Island", esta é a sua Banda desenhada.
Desta vez, o destino do Mundo será decidido… em Lisboa!

SOBRE OS AUTORES:
FILIPE MELO
Nascido em Lisboa, Filipe Melo foi detido e interrogado aos 15 anos por pirataria informática. Optou então por se dedicar ao piano, ficando desde cedo interessado no jazz e na improvisação. Desde então, a sua vida é dedicada à música e ao cinema, tendo tocado com a maioria dos músicos de jazz portugueses. Estudou no
Hotclube de Portugal e no Berklee College of Music em Boston. Foi vencedor do prémio Villas-Boas e do prémio revelação do site JazzPortugal.
É também professor e arranjador, tendo trabalhado ou tocado com músicos e grupos como Camané, Carlos do Carmo, Donald Harrison Jr., Jesse Davis, Sheila Jordan, Paulinho Braga, Swingle Singers, Martin Taylor, Perico Sambeat, Herb Geller, Orquestra de Jazz do Hotclube, Orquestra Metropolitana, entre muitos outros. Conta com mais de 12 discos gravados, entre trabalhos como líder e colaborações.
O seu hobby e a sua maior paixão é o cinema: em 2003, funda O PATO PROFISSIONAL, uma produtora dedicada ao género fantástico. Produziu, escreveu e realizou vários projectos de culto: “I ́ll see you in my dreams”, vencedor do FANTASPORTO 2004 e de 12 prémios internacionais, e “Um Mundo Catita”, uma série de televisão exibida na RTP. Realizou ainda videoclips e documentários.
Actualmente, é membro da direcção do Hotclube de Portugal. Frequenta um mestrado na Escola Superior de Música, lecciona Piano e Harmonia na Universidade de Évora e na Universidade Lusíada e mantém a agenda ocupada a tocar piano com vários grupos enquanto prepara novos projectos de cinema, música e BD.

JUAN CAVIA
Juan Cavia nasceu com um talento inato para o desenho, em pequeno passava horas a copiar os seus livros de banda-desenhada preferidos, sem no entanto chegar a bons resultados. Aos 10 anos de idade e depois de muitas tentativas falhadas de fazer as suas próprias histórias, começa a ter aulas com o professor Carlos Pedrazzini, que durante mais de um ano faz incidir os seus estudos sobre a anatomia humana, perspectiva e síntese, para mais tarde se concentrar mais profundamente sobre a narrativa.
Durante 11 anos, sem interrupções Juan Cavia desenvolve os seus conhecimentos em pintura, desenho, composição, dinâmica e diversas técnicas de representação.
Depois do ensino secundário, começa a estudar cinema, enquanto trabalha paralelamente como storyboarder e concept designer para algumas Produtoras de Publicidade. Um ano mais tarde começa a trabalhar com Marcelo Pont Verges (Designer de Produção e Desenhador de BD) com quem trabalha como assistente durante 2 anos em diversos campos do audiovisual.
Desde 2005 que trabalha como Director de Arte para cinema, publicidade e teatro.

FICHA TÉCNICA
Direcção: Filipe Melo
Guião original: Filipe Melo e Pablo Parés
Desenhos: Juan Cavia
Cor: Santiago Villa
Adaptação: Martin Tejada
Produção: Paula Diogo e Filipe Melo
Legendagem e Paginação: Pixel Reply
Edição: Tinta-da-China
MAKING OF:
Texto: Ana Markl
Design: Pedro Semedo / Paulo Veiga / Joana Sacchetti - Pixel Reply
Video: Bruno Canas
Características do livro: 120 páginas, impressas a 4 cores, formato 16,5x24cm.
PVP: 16,90€

PREFÁCIO (de John Landis)
Eu já tinha visitado Portugal, mas nunca tinha estado em Lisboa. Por isso, quando me convidaram para a terceira edição do MOTELX (Festival Internacional de Cinema Terror de Lisboa), aceitei com prazer. Além disso, os meus amigos Carolyn e Stuart Gordon também estariam em Lisboa, e somos todos excelentes turistas.
Durante a minha visita a Lisboa, conheci um jovem chamado Filipe Melo, que me pediu para escrever o prefácio para a sua novela gráfica, As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy. Eu disse-lhe que teria de ler o livro primeiro, e que depois lhe diria. O Filipe disse-me então que o livro ainda estava
no processo de ser escrito e desenhado!
Passou cerca de um ano e estou em Londres, prestes a rodar um novo filme - Burke and Hare. Ontem chegou uma embalagem pelo correio aos Ealing Studios onde está o meu Gabinete de Produção. Finalmente! O lendário manuscrito! Abri-o ansiosamente.
Estou verdadeiramente feliz por anunciar que o li com imenso prazer.
O livro é a história maravilhosamente ilustrada e bem contada de um distribuidor de pizzas chamado Eurico e das suas aventuras numa Lisboa infestada de monstros. A sua moto é roubada (e o seu trabalho a distribuir pizzas depende dela!), e então ele recorre aos serviços de Dog "Investigador do Oculto" Mendonça. A eles junta-se Pazuul, uma menina que não é o que parece, e uma cabeça de uma Gárgula que fala pelos cotovelos.
Entretanto, as crianças de Lisboa estão a ser raptadas durante a noite! Sob as ruas de Lisboa, o pior de todos os monstros está a trabalhar arduamente para levar a cabo o seu plano maléfico. Quem será ele? Como é que Vlad (o rei dos vampiros e proprietário de um clube nocturno) se envolve nesta trama? Bem,
suponho que vão ter mesmo de ler para descobrir!
A minha missão está cumprida. Li a versão completa de Dog Mendonça e Pizzaboy e declaro que é muito bom! Posso mesmo dizer que é a melhor novela gráfica portuguesa que já li.
A minha única pergunta é... quanto tempo vamos ter de esperar até que chegue a próxima?
John Landis*
Londres, 22 de Janeiro de 2010
*John Landis é reconhecido como um dos mais importantes e influentes realizadores da história do cinema. É o criador e realizador de filmes de culto como Animal House, The Blues Brothers, Coming to America, Trading Places, Innocent Blood e American Werewolf in London. É também responsável pelo mais famoso videoclip de todos os tempos - Michael Jackson's Thriller.

Acho este lançamento Luso-Argentino muito interessante! Mesmo!
Boas leituras.
Deixa o teu comentário

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Deus


Descobri o blog "Um Sábado Qualquer..." por intermédio do blog do OCP, na sua rubrica "Blogs ao acaso".
Fiquei fã!
Carlos Ruas pegou em meia dúzia de personagens bíblicas, e com muita imaginação brinca com elas acerca de temas que todos conhecemos da mitologia cristã, ou então colocando estas personagens interagindo com personalidades ou situações mais actuais.


São excelentes estas tiras cómicas que vão circulando pela internet, isto para o meu gosto pessoal, claro!
A quem não conhece aconselho uma visitinha!
Divirtam-se.
:)
Deixa o teu comentário

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Secret Invasion: Inhumans


Decidi comprar este “tie-in” da série Secret Invasion porque fiquei muito interessado em War of Kings, a sequência lógica de Annihilation / Annihilation: Conquest, e era aqui que era feita a ponte para essa mega saga cósmica (isto para além de gostar muito do grupo Inhumans).
Como vou falar de War of Kings no post seguinte fica aqui a introdução!
Em Secret Invasion muitos heróis da Terra foram capturados e substituídos por Skrulls metamorfos, que imitavam perfeitamente o indivíduo em questão, assim como boa parte da população. Assim começou a insidiosa infiltração Skrull, de que se ouviu falar pela primeira vez em New Avengers com a descoberta de uma falsa Elektra. Outro dos primeiros heróis a mostrar a verdadeira cara foi exactamente Black Bolt (Raio Negro), o rei dos Inumanos, em plena reunião dos Illuminati. Medusa a rainha Inumana e esposa de Black Bolt, questiona violentamente o homem que era suposto defender a Terra deste tipo de crises, Iron Men, sendo certo que este não sabia desde quando Black Bolt tinha sido substituído e onde parava o verdadeiro rei, ou se este estava vivo ou morto…
Aqui começa a grande revolta dos Inhumans, fartos de aturar os problemas humanos com as suas guerras e perseguições em que este povo especial sofria sempre, embora se tentassem manter à parte. A família real está cheia de raiva, e ainda não tinham acabado de interiorizar a substituição do seu rei por um impostor quando se dá a tentativa Skull de dominar Attilan, visto que também se tinham infiltrado no meio dos Inhumans. Depois desta primeira batalha, Medusa e o resto da família real dá largas à sua raiva, quando descobrem que para além do rei, o seu filho também tinha sido substituído!
Os Inhumans partem para a guerra em busca do rei (morto ou vivo) e do seu filho… Medusa está sedenta de vingança e não olha a meios para obter aquilo que quer. Os Kree, a raça que criou os Inumanos e inimigos intemporais dos Skrull, eram a opção mais válida de aliança. Aqui Medusa continua a não olhar a meios para obter os seus fins e oferece a sua irmã em casamento a Ronan, o líder Kree, para cimentar a aliança! Cristal não gostou…
Para saberem como se passou o resgate do grande rei silencioso e de como este está imerso numa raiva surda, dêem uma vista de olhos neste livrinho.
A arte de Tom Raney é muito agradável e as capas de Stjepan Šejic, artista Croata mais ligado à editora Top Cow, são mesmo muito boas! Para ver este artista croata em trabalhos maiores têm Witchblade (a partir do nº 100) e os crossovers dentro do universo Top Cow: First Born e Broken Trinity.
Boas leituras!

TPB
Criado por: Joe Pokaski, Tom Raney e Stjepan Šejic (capas)
Editado em 2009 por Marvel
Nota : 7,5 em 10
Deixa o teu comentário

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Asteroid Fighters Vol.1: O Início


Asteroid Fighters é mais uma aposta da ASA na Banda Desenhada portuguesa! Foi lançado durante o 20º Amadora BD (FIBDA), aproveitando o momento em que o autor, Rui Lacas, era também homenageado com uma exposição durante o evento (isto para além de toda a decoração e “mascotes” do Amadora BD ser da autoria deste português). Isto deveu-se ao prémio que Rui Lacas recebeu no 19º FIBDA com o álbum “Obrigado Patrão”, e aproveitando esta onda, Rui Lacas e a ASA lançam um projecto ambicioso chamado “Asteroid Fighters”, o qual deverá ter vários volumes publicados no futuro.
Rui Lacas estudou Belas-Artes em Lisboa, lançando-se de seguida como artista “freelancer”. Editou, desde 1994, cinco livros: Maldita Cocaína, A Cauda do Tigre (1998), A Filha do Caranguejo (2001), Que é Feito do Meu Natal? (2002) e Obrigada, Patrão (2007). Este último foi primeiramente editado no mercado francês com o título “Merci Patron” e ganhou o prémio do melhor argumento no festival de “Les Moulins” em 2007. Neste momento Rui Lacas trabalha no “The Lisbon Studio” em conjunto com outros autores portugueses de Banda Desenhada.
O projecto Asteroid Fighters (assim como outras recentes obras) insere-se numa tentativa forte de cativar o público mais jovem para a banda desenhada portuguesa, mostrando que esta também pode ser apelativa, apostando em temas que à partida serão mais bem aceites pelo mercado e respectivos compradores de BD, quiçá conquistando ainda alguns novos leitores e mostrando que os portugueses também sabem fazer BD vendável.
Asteroid Fighters tem uma estória de fácil leitura, e onde neste 1º volume são apresentados os protagonistas, centrando-se temporalmente no futuro da Terra (ano de 2112). A história passada da Terra (o nosso actual presente), e o que deu origem a um novo estádio político-social desta, é contada pelo Asteroid Fighter Sérgio. Conta como em 2012 o gigantesco asteróide destruiu grande parte da Terra, tal como a conhecemos agora, e fez mudar as prioridades da raça humana. Toda a belicosidade do ser humano foi orientada para o espaço, deixando uma abertura para a paz mundial. Conta também a história do corpo dos AF (Asteroid Fighters) e de como evoluíram num século de existência, tornando-se praticamente aquilo que conhecemos como “super-hérois”. O estória propriamente dita começa em Tóquio onde um Takeshi cheio de problemas na vida (despedido e enganado pela mulher) destrói um asteróide, que passou pelas malhas de segurança da Terra, com o objectivo de salvar a sua filha… a sua única âncora num mundo que desabou sobre ele. As curiosidades deste quase catastrófico evento são precisamente a facilidade com que este asteróide passou, e de como um humano que não é um AF o conseguiu destruir! Nesta estória não gostei muito do vilão (é um bocado estranho este vilão), sinceramente não gostei do trio de AF´s que vai tentar bloquear um asteróide, achei-os um pouco rebuscados, sobretudo o Russo! Não faz sentido em 2112 usar uma capa vermelha com a foice e o martelo…
Em relação à arte apresentada gostei, embora se note nalgumas páginas que Lacas está ansioso para as despachar (os desenhos terminam num traço “apressado”), e é minha opinião de que o traço não precisava de ser tão grosso, mas isso é uma questão de gosto meu.
No fim, e juntando tudo, é mais um bom álbum de BD feita por portugueses mostrando que o chamado “mainstream” também é possível para os nossos autores! Espero que estes exemplos (estou a pensar em BRK) motivem novos talentos a fazer BD e a tentar publicá-la! É possível (com trabalho e disciplina)!
Boas leituras!

Hardcover
Criado por: Rui Lacas
Editado em 2009 pela ASA
Nota : 7,5 em 10
Deixa o teu comentário

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Lançamento Zona: Zona Fantástica


A revista Zona transforma-se num livro de 80 páginas nesta sua terceira edição! Depois de Zona Zero e Zona Negra, será lançada a Zona Fantástica no próximo dia 4 de Março e em pleno Fantasporto! Cada vez existem mais autores a querer participar, e também cada vez mais a fasquia de qualidade é posta mais alto.
Esta Zona é especial para mim, pois é a minha primeira participação num livro de BD, e na qual tive o privilégio de ter o Pedro Nascimento como meu parceiro artista.
A capa deste Zona é da autoria da Carla Rodrigues e encontrarão mais informação no blog Zona!.
Deixo aqui um pequeno texto de divulgação feito pelo homem que tem empurrado este excelente projecto para a frente, o Fil, sem apoios nenhuns do IPJ e de outras organizações quejandas! Os apoios estão destinados sempre aos mesmos... (Desculpem-me, mas eu ficava "embuchado" se não dissesse isto!)
Fica também o editorial, escrito por outro responsável desta edição, André Oliveira, assim como o índice onde poderão encontrar todos os autores deste livro.

A Zona Fantástica é uma revista alternativa dedicada ao universo da Banda Desenhada e da Ilustração, a terceira de um projecto que já gerou também a Zona Zero e a Zona Negra (www.zonabd.blogspot.com), ambas lançadas em 2009. Este número, dedicado ao “fantástico” e associado ao Fantasporto 2010, é o maior e mais ambicioso: 80 páginas a cores com a participação de 34 autores, 5 dos quais são estrangeiros.
O objectivo deste projecto, quase totalmente desenvolvido através de colaborações pela Internet, é de divulgar o trabalho de novos autores, assim como de promover o desenvolvimento das artes no panorama nacional. Assim, a Zona Fantástica surge como mais um importante passo, representativo de uma vontade crescente de fazer mexer este contexto.


Irei falar escrever mais vezes sobre este projecto, que merece ser acarinhado por quem gosta de BD, e que quer ver nascer novos talentos portugueses!
Deixa o teu comentário

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Lançamento ASA: Warcraft – Legends Vol.3


A ASA edita mais um de Warcraft Legends, um Manga baseado no famoso jogo e mais uma vez uma colectânea de estórias (desta vez quatro). Este livro sai no dia 18 de Fevereiro!
Fica o "press release" da ASA:


WARCRAFT LEGENDS 3

No seguimento do best-seller Warcraft: Trilogia do Poço do Sol e Warcraft Legends 1 e 2, surge esta empolgante e surpreendente colectânea de 4 histórias inspiradas no universo Warcraft:

DEMÓNIO
Do aclamado duo Richard Knaak e Jae-Hwan Kim (Warcraft: Trilogia do Poço do Sol) chega a terceira parte das aventuras de Trag Highmountain, o heróico taurino renascido como um dos mortos-vivos. A viagem de Trag para enfrentar o Rei Lich leva-o ao interior da tundra gelada de Northrend, onde encontra novos aliados... assim como novos inimigos.

SANGUE DOS CRUZADOS
Quando um elfo de sangue e um guerreiro Maldito partem numa aventura de vingança contra uma implacável capitã da Cruzada Escarlate, a sua fúria cega vai colocá-los em rota de colisão com o destino... podendo conduzir à morte.

TENHO O QUE PRECISAS
Da aclamada escritora Christie Golden, esta é a história de um goblin azarado, chamado Krizz, que procura uma forma de ganhar algum dinheiro... mesmo que isso signifique fazer de Grande Pai Inverno. Mas o desgosto da época transforma-se em felicidade quando ele se torna no improvável herói de uma pequena rapariga gnomo...

A EXCITAÇÃO DA CAÇADA
Hemet Nesingwary, o maior caçador de toda a Azeroth, dá por si como inesperado protector de três crias de dente-de-sabre que enfrentam cinco caçadores sanguinários.

Boas leituras
Deixa o teu comentário

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Lançamento ASA / Público: Alix


Depois de se saber a série chega a informação da data de saída!
A série Alix vai começar a sair em 17 de Março deste ano. É uma quarta-feira, como já é habitual nestas edições ASA/Público, e como já noticiei num post anterior os títulos vão ser:
- Alix o Intrépido
- A Esfinge de Ouro
- A Ilha Maldita
- A Tiara de Oribal
- Garra Negra
- As Legiões Perdidas
- O Último Espartano
- O Túmulo Etrusco
- O Deus Selvagem
- Iorix, "O Grande"
- O Espectro de Cartago
- O Deus Vulcão
- A Torre de Babel
- Herkios, o Jovem Grego
- Vercingétorix
- O Cavalo de Troia
Será uma boa oportunidade para quem tem livros em falta, ou muito degradados desta série, poder completar as suas colecções. Para quem desconhece esta série de inegável valor, é uma boa altura para experimentar!
Para mais informação podem clicar neste link:
Jacques Martin e a sua maior criação: Alix

Boas leituras!
Deixa o teu comentário

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Blacksad


Visto que este é o ano em que vai sair o aguardado Blacksad Vol.4 desta série de sucesso, fica aqui um pequeno apontamento sobre a mesma.
Blacksad foi um sucesso imediato em França logo na saída do seu primeiro número, estávamos no ano 2000. Os seus autores tinham feito mais animação até aqui do que Banda Desenhada. Juan Díaz Canales, autor dos textos, já tinha fundado uma empresa de animação e Juanjo Guarnido, autor da parte gráfica, tinha trabalhado para a Walt Disney. Estes dois autores espanhóis, depois de andarem a “bater às capelinhas” todas, conseguiram firmar contracto com a Dargaud francesa para a edição de Blacksad. Logo nesse ano de 2000 começou uma longa lista de prémios ganhos por esta boa série de BD.
As estórias giram à volta do género policial negro, onde de livro para livro se notam progressos ao nível narrativo, mas é na parte gráfica que se nota esta subida de qualidade.
Para quem não conhece a série, as figuras são antropomorfizadas e a selecção do animal que dá vida à personagem é por norma mito bem escolhido… os assassinos são répteis (por norma), os guarda-costas são animais possantes e com mau feitio, como por exemplo o rinoceronte, os policias são canídeos, etc., etc.…. Nota-se também que o grau de antropomorfização é normalmente maior nos caracteres femininos, dando um ar de grande sensualidade a algumas “gatas”.
Esta série está toda editada em português pela ASA, e também já tive a confirmação de que o Blacksad: Vol.4 será editado em português este ano! Os livros já editados são:
- Algures Entre as Sombras
- Artic Nation
- Alma Vermelha
Em relação às estórias, estas tem sempre como fundo uma investigação policial, mas em quadros sociais distintos de livro para livro, em que o detective privado Blacksad (um gato preto) se serve da sua liberdade de acção para castigar criminosos em situações que a polícia não pode actuar, mas o comissário Smirnov protege sempre Blacksad nas suas actuações menos legais.
Em “Algures Entre as Sombras” é feita a apresentação das personagens e a investigação gira à volta do assassinato de uma estrela de cinema, antiga amante de Blacksad. Este livro tem final cheio de "sangue-frio"...
“Artic Nation” foca um tema antigo, mas ao mesmo tempo ainda bastante actual: o racismo. As referências ao Ku Klux Klan são evidentes neste livro…
“Alma Vermelha” foca um medo antigo, que em parte ainda existe… o holocausto nuclear. Aqui a referência à fobia da guerra fria e ao perigo vermelho também é evidente, com o senador tristemente célebre, Joseph McCarthy, a ser representado pelo senador Gallo (representado por um galo, claro está...).
Blacksad sai-se quase sempre bem, mas nunca na totalidade… algo fica sempre por resolver ao nível pessoal deste detective privado, muito ao estilo de Colombo, deixando sempre uma nota amarga no fim. Não adianto mais, como é meu costume, pois a BD é para ser lida e não contada!
:D
É uma série bastante boa, e de grande sucesso, que eu recomendo a quem gosta de BD policial.
Boas leituras!

Hardcover
Criado por: Juan Díaz Canales e Juanjo Guarnido
Editado entre 2002 e 2005 pela ASA
Nota : 8,5 em 10
Deixa o teu comentário

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Revista Gormiti nº2


Depois de Tom & Jerry, Princesas e W.I.T.C.H. terem sido descontinuadas, pelo menos foi essa a informação que obtive, apenas ficou uma revista para meninas: Winx!
Em Novembro surge uma nova revista que tapa uma lacuna (os meninos não tinham revista) e que usa as mesmas ferramentas comerciais que as Winx:
Gormiti
Pois é, agora os meninos não se podem queixar! A única queixa possível é o papá não lhes comprar a revista.
Comprei o nº2 para ver a revista e tal como as Winx traz brindes. Desta vez veio uma agenda Gormiti (por sinal bastante organizada, pensada para o público-alvo) e um "lindo" boneco Gormiti. No meio da revista existe um poster com o tamanho de duas páginas.
Este nº2 é a revista de Dezembro/Janeiro (penso que a anterior seria Outubro/Novembro), portanto quem for fã dos Gormitis ainda está bem a tempo de iniciar a colecção do princípio!
Bom, a parte mais negativa da revista é o preço… quer dizer, infelizmente para a criançada pedir aos papás para lhe comprarem a revista, esta tem de ter brindes para ser apelativa e é claro que fica mais caro! A agenda Gormiti é de muito boa qualidade e ainda traz a figura (que terá o seu preço), como tal o produto fica em 7,95 €… Penso que se em vez de dois “brindes”, poderia vir apenas um e com certeza a revista ficaria mais barata!
Em relação à revista em si esta possui um artigo de informação bem escrito para crianças acerca de terramotos, explicando o fenómeno com lendas dos povos antigos e informação actual sobre o assunto. Temos também uma entrevista ao desenhador de serviço nesta revista e a estória de Razzle, o dinossauro, que pelos vistos é uma peça importante na estória dos Gormitis.
A estória está no princípio, as personagens são apresentadas e é contado um pouco da estória de Gorm, e como esta afecta a Terra. A arte e a legendagem são apropriadas para o público-alvo. No final da revista existe uma secção generosa (três páginas) do correio dos leitores e seus desenhos, isto para além de quatro imagens para colorir dos Senhores de Gorm.
A minha opinião sobre a revista é que é apropriada para quem se destina.
Rapazes cravem os vossos pais!

Revista
Criado por: Giustina Porcelli, com desenhos de Gianfranco Enrietto (Henry)
Editado em 2009 por Giochi Preziosi
Deixa o teu comentário

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Absolute Promethea Vol.1


A 9ª arte tem por vezes os seus grandes momentos, e Alan Moore tem aqui mais um! Promethea é uma extraordinária obra, em que o já muito conhecido e referenciado Alan Moore (V for Vendetta, Swamp Thing, Watchmen, Albion, The League of Extraordinary Gentlemen, Lost Girls, etc., etc….) escreve, planifica e faz o cenário para uma excelente prestação artística de J. H. Williams III (X-Men, Deathwish, Batman, Batwoman, Seven Soldiers of Victory, Justice League of America, Green Lantern, Starman, etc., etc…). Na minha opinião é a obra de Moore mais bem equilibrada entre o texto/estória e a arte apresentada. Para além disso é uma obra positiva, Moore aqui não é tão negro como o seu registo típico.
Passou a ser a minha obra preferida de Moore, e ainda só vou no primeiro volume (que contem as duas primeiras compilações da série).
Promethea está editada e finalizada em cinco volumes, tanto em capa dura como no formato TPB e em 32 revistas (comics), surgindo agora a versão de luxo em formato “Absolute”, e que edição… era merecida mesmo!
O livro começa com a origem de Promethea, e aqui Alan Moore demonstra o quanto gosta da Igreja Católica com a assassinato do pai da pequena criança, perpetrado por religiosos fanáticos na sua luta contra tudo o que não professasse a fé cristã. Aqui começa uma aventura que toca a magia, a imaginação pura, a incessante procura do “eu”, e tudo isto rodeado por grandes doses de fantasia e ficção-científica. É um mundo paralelo, aquele em que Promethea “vive”, e na sua busca pelo conhecimento das suas antecessoras acaba por se tocar com o nosso. Nesse arco, em que Promethea vem à nossa dimensão, a solução foi magnífica: toda acção se possa em fotografia para mostrar o nosso mundo real.
Promethea é mais que uma estória, passo a explicar, Promethea é uma experiência única sobre experiência, sentimentos e aprendizagem. As incríveis páginas duplas de J. H. Williams III estão impregnadas de simbolismo, e esqueçam as ideias pré-concebidas sobre a vida… sonhem com Promethea! Ela habita na nossa imaginação!
Sophie Bangs foi escolhida para ser a última incarnação de Promethea e está a aprender depressa. Aprende a viajar para o seu mundo extra-dimensional, combate demónios e traz consigo o apocalipse. Tem muitos inimigos neste mundo e no outro, mas as anteriores incarnações desta deusa do mundo da imaginação ajudam-na a compreender as funções e poderes dela em viagens de incrível imaginação.
Vou repetir, é a viagem mais fantástica e alucinante que Alan Moore já imaginou, e com uma arte espectacular de J. H. Williams III.
Aconselho vivamente.
Boas leituras!

Slipcased Hardcover
Criado por: Alan Moore e J. H. Williams III
Editado em 2009 por American Best Comics
Nota : 12 em 10
Deixa o teu comentário