sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal e um Bom Ano paratodos!!


Não se arrepiem, mas fui que fiz o postal...
:D
Boas Festas!
(O próximo ano será um ano normal para o "Leituras de BD")
;)
Deixa o teu comentário

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Viking Vol.1: The Long Cold Fire


Obsessivo…
Brutal!
Excelente.
Três adjectivos que definem perfeitamente este livro da Image Comics. Infelizmente duvido que tenha grande êxito nos Estados Unidos da América…
Como diz a sinopse, é um “thriller” do sec. IX que conta as aventuras de dois irmãos Vikings, Finn e Egil, um pior que o outro e que tentem subir na “cadeia alimentar” da criminalidade.
Os autores são Ivan Brandon (Final Crisis Aftermath: Escape e Secret Invasion) e Nic Klein (Capas em Annihilation Conquest: Star-Lord e New warriors, como desenhador e colorista em Dead of Night Featuring Man-Thing Vol 14).
Ivan Brandon, após alguns trabalhos para a DC e Marvel, quer deixar a sua marca nos comics norte-americanos e esta é decididamente uma tentativa… e que tentativa! Para isto precisava de um artista não muito conhecido, mas de qualidade. Assim descobriu um Nic Klein possuidor de um traço poderoso e de cores super expressivas. Brandon queria (quer) procurar um mercado diferente nos EUA, para isso contou com a ajuda da Image Comics. Os comics bimensais com que esta série começou a sair não tiveram talvez o sucesso esperado. Penso que é um género que deve ser mais explorado no formato volume nº1. Nota-se perfeitamente o envolvimento de Klein nesta estória, este abraçou completamente este projecto que quanto mais não seja é um excelente cartão de visita para a arte brutal que apresentou. Nos extras são apresentadas pequenas esculturas de alguns personagens que este criou para estudar os jogos de luz, e as próprias personagens. Klein usa sobretudo os castanhos, laranjas e tons de vermelho para ilustrar o ambiente duro e sangrento da época.
Neste filme “noir” do sec. IX os protagonistas são apresentados logo de início, traçando-se o seu perfil inicial, e as razões pelas quais são assim, e procedem de maneira tão bárbara.
A acção passa-se essencialmente em três espaços distintos, cada um com a sua cota parte diferenciada na acção. Assim e primeiro temos o espaço familiar inicial, refúgio de três irmãos e do seu avô. Os dois irmãos mais velhos tinham como profissão a pilhagem e o assassinato, como contraponto temos a personagem do avô que praticamente já desistiu destes tentando educar Ketil (o irmão mais novo) de uma forma muito mais pacífica. Infelizmente este é levado por Finn e Egil numa operação de venda de produtos pilhados que acaba de forma trágica, sendo ainda mais trágico o fim deste capítulo familiar. Os dois irmãos ficam bem marcados fisicamente e psicologicamente para o futuro… Segue-se uma vida de violência inaudita com banhos de sangue e escaramuças sangrentas onde conhecem o seu terceiro comparsa de pilhagem e extorsão!
Existe uma outra estória paralela que se vai tocando, primeiro levemente e depois se cruza com a vida dos irmãos Finn e Egil. É o espaço do reino governado por Bram “The Quiet” e de sua filha rebelde Annikki. Aqui se joga nos bastidores a política suja, e também sangrenta, com um rei sempre protector de uma princesa que odiava estar presa num castelo, ainda para mais sendo ela corajosa e grande caçadora.
Estas duas linhas narrativas cruzam-se violentamente na terceira parte da estória com um final poderoso e violento. O final peca por uma certa “lamechice” devido a uma estória de amor improvável, quando o que se pedia (seguindo os parâmetros da estória) seria uma cena de sexo violento para não fugir ao registo de todo o livro. Apenas aceito esta “falha” porque eventualmente para um seguimento é esta estória de amor que fará a ponte para um próximo volume.
Este é um livro de velocidade alucinante e arte espectacular em formato europeu. Este formato faz explodir a arte de Klein, embora não seja do agrado dos americanos…
Aconselho e espero que haja uma continuação. Mesmo que tal não aconteça este é um livro que se pode ler como livro único.
Peço desculpa pelos scans estarem um pouco cortados, mas o livro é bastante grande, das mesmas dimensões do "grand format" francês mas com mais páginas, dificultando o trabalho de digitalização!

Hardcover
Criado por: Ivan Brandon e Nic Klein
Editado em 2010 pela Image Comics
Nota: 9,5 em 10
Deixa o teu comentário

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Forgetless


Jorge Coelho esteve hoje (1/Dez/2010) na loja Kingpin a dar autógrafos e protagonizando uma exposição com suas pranchas, referentes ao livro “Forgetless”. O livro acabou por esgotar, felizmente obtive o penúltimo TPB, e os comics penso que tiveram o mesmo destino!
A loja estava bem composta de público, e quem compra um livro acaba por comprar dois e assim se tenta fazer um bom dia de vendas… era bom que todas as lojas fizessem mais pequenos eventos destes, pois fazem movimentar as pessoas e com certeza as vendas também.
Esta edição pertence à linha “Shadowline” da “Image Comics”, linha esta que tem como director Jim Valentino (“Guardians of the Galaxy”, os originais da década de 90; “What If…”, “Silver Surfer”, etc. …), e se propõe a fazer e editar BD diferente do “mainstream” norte-americano. Pode-se dizer que o grupo Image Comics cobre toda a área da Banda Desenhada, desde o comercial ao mais alternativo, policial, cómico, horror……. etc.………etc.….
Falando um pouco sobre o livro, achei-o um ensaio completamente louco de Nick Spencer! Nunca se sabe o que vem a seguir, a estória volta para trás, chega-se à frente e de repente dá uma cambalhota que ninguém está à espera! É um pouco confuso de início, mas no fim tudo acaba por fazer sentido!
A estória principal conta, entre outras coisas, como duas modelos acabam em assassinas profissionais, como um Kuala pode ser tarado sexual, e como um jovem pode ter a cabeça a prémio por ter violado uma boneca insuflável... O palco é “Forgetless”, uma discoteca! A segunda estória roda à volta de três jovens menores de idade que entrar na referida “Forgetless” com identificações falsas… penso que uma situação comum nos EUA (a parte das “fake IDs”) e a todos os jovens do mundo ( a parte da entrada na discoteca sendo menor de idade…).
Gostei do livro, não extraordinariamente. Mas posso dizer que a melhor parte do livro e sem dúvida a arte do Jorge Coelho, e não estou a dar graxa! O argumento não é mau, mas por vezes torna-se um pouco difícil (tive de reler o livro para tirar algumas conclusões sobre partes que me tinham passado), e a arte dos outros desenhadores e coloristas também está bem mas acho que as páginas desenhadas por J.Coelho são as melhores e as mais expressivas!
Parabéns ao Jorge Coelho! Merece.
Ficam umas fotos da exposição (desculpem o exagerado reflexo amarelo numa delas…), do Jorge Coelho e da loja da Kingpin.




Duas fotos gerais da loja





Jorge Coelho a trabalhar no meu sketch





O meu sketch!









Três páginas de originais em exposição!

Boas leituras.

TPB
Criado por: Nick Spencer, Jorge Coelho, Scott Forbes e Marley Zarcone
Editado em 2010 pela Image Comics (Shadowline)
Nota: 7,5 em 10
Deixa o teu comentário