segunda-feira, 31 de março de 2014

Lojas de Banda Desenhada: Casa Da BD


A segunda loja especializada em Banda Desenhada a ser focada nesta rubrica é a Casa da BD.
Wagner irá falar sobre ela já a seguir!

Conheçam a Casa da BD!
:)

A Casa Da BD nasceu há uns anos atrás (nos molde que conhecemos hoje em dia), mas tudo começou quando os meus pais nos (a mim e aos meus irmãos) decidiram comprar um lote de BD em 2º mão (na altura na sua maioria super-heróis da Abril... capitão América, X-Men, Homem-Aranha, etc...)
de forma a estarmos dispostos a ir para a loja com eles, pois digamos que uns putos de 13/14 anitos (nos idos anos de 1994) não querem perder Sábados, e que na altura tinham as manhãs cheias de desenhos animados para ir para uma loja de antiguidades que, na falta de melhor adjetivo era... enfandonha (a loja situa-se na zona onde se realiza a feira da ladra).

Aí começámos então a estender a toalha no chão e a vender, e ler, as nossas aquisições. Começou assim, mas em breve do chão passou-se para uma prancha de madeira em cima de uns cavaletes... até que os nossos pais nos “deram” meia loja para colocar BD, e a outra metade era com livros mais antigos e técnicos (passámos a ser... alfarrabistas).

Durou cerca de 1 ano, depois disso a loja ficou só com BD e perto da altura da Expo 1998 podia-se dizer que negociava com comics em inglês. Em português tinha Disney e álbuns franco-belga e manteve-se assim durante alguns anos pois todos nós estudávamos e a loja (ao contrário do que muitos julgam) é só um hobby.

Desde o início de 2000 que a loja vem participando em feiras do livro, eventos de BD, e cerca de 2008 (com o começo do "Boom" da manga e anime em Portugal) adicionámos Manga e merchandise (um pouco mais tarde ) ao nosso “portfólio”. Temos participado em eventos por todo o país, e no estrangeiro, e a loja desde finais de 1999 também tem um site (embora não muito profissional , já que se trata de um hobby). Estamos no Facebook há uns anos para cá, pois temos que nos adaptar aos novos tempos. Hoje em dia somos uma referência para quem procura comics em português visto que temos as edições da Abril e da Panini, inclusivamente até as que não saem cá em Portugal, pois importamos diretamente). Temos também Mangas e merchandise (a ótimos preços), mas como o nosso mercado português registou um declínio em BD franco-belga e Disney a nossa loja perdeu um pouco de espaço nessas edições.

Assim é a loja “Casa Da BD”, muito resumidamente mesmo ;)


Super-Mini-Entrevista a Wagner Dias (Casa da BD)

Todos sabemos que a vida não está fácil para as lojas especializadas de Banda Desenhada, mas gostaria de saber o que pensas sobre o panorama actual do mercado de BD em Portugal.

O mercado de BD em Portugal não é famoso, nunca o foi, mas embora se deva dizer que nos últimos 20 anos vem (umas vezes mais lentamente outras mais rapidamente) perdendo clientes, razões ? Várias... a BD tem sido vista sempre como um parente pobre da família (cultura) e os pais que outrora até por vezes leram BD não incentivam os filhos a ler.

Os preços das edições são por vezes excessivos para o nosso mercado, as diversas crises pelas quais Portugal tem passado restringe ainda mais a carteira dos clientes, que, não sendo a BD um bem de 1º necessidade é das primeiras a ser eliminada no consumo dos clientes. Algumas editoras que não têm respeito pelos clientes que editam e depois simplesmente param, fazendo com que clientes fiquem com as edições incompletas e percam a confiança no mercado nacional, e por aí adiante. São várias as razões para o mercado de BD não ser famoso, mas nem tudo são amarguras! Nos últimos anos, e devido à lufada de ar fresco de influência japonesa, o mercado tem crescido gradualmente pois esta nova geração tem uma ligação à cultura japonesa, da mesma forma que a geração de 80/90 com os comics da Marvel/DC, a de 50/60/70 com os Cavaleiro Andante, Condor, FBI, Mundo de Aventuras, Guerra, etc.. , ou seja , o mercado de BD não é uma causa perdida, e se virmos a longo prazo sim a hemorragia foi severa (perderam-se muitos clientes), mas a curto prazo o mercado tem vindo a crescer paulatinamente devido às novas adições vindo das novas gerações.

E tens alguma ideia de como inverter esta situação de fragilidade actual do negócio da BD em Portugal?

Como disse anteriormente, são várias as razões para o mercado ser frágil, mas a resposta é simples! Mais dinheiro na carteira dos clientes (aumentarem os salários e menos tributação fiscal) e maior e melhor distribuição de BD. O mercado poderia crescer tanto ao aproveitar as dezenas de filmes de super-heróis que nos últimos anos têm vindo para as salas de cinema, e com o "Boom" da influência japonesa nos eventos! O pior é que não há $$! E quando assim é (e irá ser por algum tempo) é difícil mudar esta tendência.

Queres passar alguma mensagem aos leitores deste artigo?

Apesar da nossa loja ser fruto de um hobby nosso (no início, agora começa a criar contornos de ... trabalho), já faz 20 anos que existimos (não sempre como Casa da BD) mostramos que se cá estamos é porque quem nos conhece sabe que tentamos fazer o melhor mesmo neste mercado tão difícil, e contamos com a vossa ajuda também ;)
Claro que o pedir para comprar na nossa loja está implícito, mas não é só isso , mesmo que não comprem visitem-nos na loja, nos eventos , Facebook, site, onde quer que seja, acreditem que estarão no vosso mundo ;) e com pessoas que partilham dos vossos gostos (mas que podem ter outra opinião acerca deles ).









Resta-me dizer que o site da Casa da BD é  www.casadabd.com , e informar a morada e horário:

Casa da BD
Mercado de Santa Clara
Loja 10
1100 Lisboa

Horário de Funcionamento:
3ª Feira: 9h às 16h30.
Sábados: 9h às 17h.
Deixa o teu comentário

sábado, 29 de março de 2014

A Palavra dos Outros: Adam Warlock, o Messias sem Terapeuta


Paulo Costa volta às suas colaborações com o Leituras de BD!
Desta vez apresenta uma personagem cósmica, Adam Warlock, que na minha óptica é umas das personagens da Marvel com mais potencial (infelizmente poucas vezes bem usado...)


Adam Warlock, o Messias sem Terapeuta


Da primeira vez que ouvi familiar em Adam Warlock, ele já tinha morrido. Fazia parte das discussões da época nas secções de cartas das revistas da Editora Abril. Warlock morreu no primeiro número do título “Grandes Heróis Marvel”, entretanto, eles tinham acabado de matar a Fénix na edição nº 7, e já havia sido anunciado que o Guardião, líder da Tropa Alfa, ia ser o próximo a esticar o pernil na edição nº 15. “Grandes Heróis Marvel” era a revista onde os heróis iam morrer. Pelo caminho, Warlock viria a ressuscitar, como é o seu destino, e eu acabaria por ler as suas histórias originais na mini-série especial “A Saga de Thanos”. Mais recentemente, tornei-me fã do formato Essential, uma maneira barata de ler muitas histórias de uma só vez, e fiz as contas: todo o material de Warlock cabia num único volume. Por isso, quando a Marvel anunciou o lançamento desta edição, tive logo que comprar.

Apesar de ter mais de 550 páginas, não tem todas as histórias onde Warlock aparece. No início, faltam a origem nas páginas do Quarteto Fantástico, em que Warlock é apenas conhecido como Ele, bem como o seu confronto com Thor. Mas essas histórias são irrelevantes. Kirby fez a história de base sozinho, onde usou o seu talento natural para criar conceitos visuais de ficção científica, mas sem se preocupar muito em desenvolvê-los. Em 1972, Roy Thomas e Gil Kane reinventaram o homem dourado artificial como Adam Warlock, transformando-o no messias cósmico de uma Terra paralela. Thomas não é um escritor subtil nem tem grande imaginação, tanto que Warlock apresenta-se como o salvador da humanidade, em que a figura de anticristo é representada por um político de personalidade magnética e com o nome óbvio de Rex Carpenter.

O conceito não vai muito longe. Warlock passa a maior parte do tempo a viajar pelos Estados Unidos e a enfrentar supervilões na companhia de adolescentes, aliando-se até a um cientista chamado Victor Von Doom, que aqui é bem mais altruísta que na Terra normal. Mesmo passando por vários escritores, a saga continua sem se desviar muito do caminho traçado, culminando no confronto de Adam com o Homem-Fera, o arqui-inimigo do seu benfeitor, o Alto Evolucionário, personagens anteriormente usados por Kirby e Stan Lee na revista do Thor. Mas como a revista “The Power of Warlock” foi cancelada, Gerry Conway acabou por concluir tudo nas páginas do Hulk, um pouco à pressão.

























Foi preciso esperar até Jim Starlin regressar à Marvel para alguém pegar em Adam Warlock. Starlin, que não era avesso a experimentalismos de ordem química, já havia reformulado o herói alienígena Capitão Marvel num salvador cósmico. Mar-Vell era um herói relutante, mas cresceu como pessoa a aceitar uma nova responsabilidade. Starlin levou Warlock no campo oposto. Ao mesmo tempo, os visuais ultra-realistas de Gil Kane e dos seus antecessores deram lugar a ambientes psicadélicos. Ainda que Starlin copiasse as poses de Kane, a representação do espaço sideral e dos confrontos físicos eram decalcados de Steve Ditko, misturados com os efeitos energéticos de Jack Kirby.

Apesar da sua experiência messiânica na Contra-Terra, Warlock descobre que está fadado a tornar-se um tirano chamado Magus (com pele roxa e um penteado afro), que viajará para o passado para fundar uma religião extremista. Magus resolve manipular Adam Warlock para assegurar a sua própria criação, enquanto Warlock pretende resistir ao máximo ver-se envolvido num confronto sangrento como já tinha estado na Contra-Terra.

Felizmente para o herói relutante, um factor externo surge na presença do conquistador niilista Thanos. O titã louco vê Magus como o seu opositor directo e resolve também ele manipular Warlock. Em vez de abraçar a loucura causada por uma existência que não consegue controlar, Warlock resolve viajar para o futuro próximo com a ajuda de uma entidade cósmica e absorver a própria alma com a Gema Infinita que possui, essencialmente cometendo suicídio enquanto ainda tem acuidade mental para o fazer. Mesmo com a derrota do Magus, Warlock continua a mergulhar na loucura, mas a revista é cancelada antes de chegar à sua conclusão natural. Nestas histórias, o escritor/artista tinha aproveitado para desenvolver alguns dos elementos que se tornariam clichés em histórias futuras (compare-se com Dreadstar e Gilgamesh II). Starlin regressa a Warlock anos mais tarde, para concluir a história em duas revistas anuais, envolvendo os Vingadores e outros heróis. O vilão, como não podia deixar de ser, é Thanos.

Falta também um epílogo, nomeadamente os números da revista “Marvel Two-in-One” onde Ela, a mulher artificial que é uma versão feminina de Warlock, tenta ressuscitá-lo, numa história que envolveu heróis tão invulgares como o Coisa, o Águia Estelar ou a Serpente da Lua. Warlock regressou à vida anos depois, nas páginas do Surfista Prateado, novamente pelo regressado Starlin. Ocasionalmente, Adam morre e regressa à vida quando é necessário para um grande drama cósmico.

Texto: Paulo Costa

Resta-me dizer que a última boa intervenção desta personagem surgiu na saga Annihilation, e no respectivo spin-off Guardians of the Galaxy. 

Para verem todas as outras intervenções de Paulo Costa no Leituras de BD, é só clicarem no nome dele!
:)

























Boas leituras
Deixa o teu comentário

Reeditar os clássicos da BD, com Pedro Cleto na FNAC


Pedro Cleto irá estar hoje mais uma vez na FNAC a falar de Banda Desenhada.
Penso que será pelas 18 horas, e quem gosta destes clássicos tem uma oportunidade única de contactar com o provavelmente maior especialista mundial do Príncipe Valente: Manuel Caldas!

Fica a nota de divulgação do Pedro Cleto:




Reeditar os clássicos da BD na FNAC

No próximo dia 29 de Março, a FNAC promove na sua loja do Norte Shopping, em Matosinhos, uma conversa entre Pedro Cleto, crítico e divulgador de banda desenhada, e Manuel Caldas, responsável pelo restauro e a reedição cuidada de clássicos dos quadradinhos como o Príncipe Valente, Lance, Cisco Kid, Krazy Kat ou Tarzan.

De forma informal, será possível espreitar as questões em torno da edição actual de obras que marcaram a História da banda desenhada e perceber como é possível partir de páginas antigas de jornais para obter o traço definido ou o colorido original perfeitamente restaurado que Manuel Caldas tem posto á disposição dos leitores da Libri Impressi.

O Príncipe Valente, de que Caldas é um dos maiores especialistas mundiais, e Tarzan, de que está a terminar o primeiro volume com as tiras diárias de Russ Manning, passarão também pela FNAC.
Apareçam para recordar ou descobrir grandes obras dos quadradinhos.





Boas leituras
Deixa o teu comentário

sexta-feira, 28 de março de 2014

Lançamento Sketchbook PT #666


Aí está o SketchbookPT, como diz o seu editor, a queimar o prazo!
:D
É o sexto, mas devido ao aniversário do Hellboy resolveram dar-lhe o nº 666.

Artigos interessantes, sobretudo relacionados com o mundo Hellboy. Aliás, podem ver várias boas ilustrações de artistas portugueses relativas a esta personagem nesta publicação digital

A minha crítica a este Sketchbook vai no sentido de melhorarem o design da publicação. Como já é a 6ª, ou seja, um projecto continuado, penso que o editor deveria mudar algo para melhorar a apresentação de várias páginas i.e. o layout e as cores base.

Podem ler (e ver) aqui no LBD, ou então fazer o download em http://www.mediafire.com/download/7pmp2x14mq3uj6n/SBPT%236.pdf#6.pdf
































Boas leituras
Deixa o teu comentário

quinta-feira, 27 de março de 2014

Lançamento Goody: Disney Especial - Double Duck


OK... este interessa-me mesmo!
Li duas histórias do "DD" há uns anos e adorei! Super divertido!
Espero que mantenha o nível daquilo que eu já li.
:)

Sai amanhã, sexta-feira dia 27 de Março.

O seu nome é Duck… Double Duck!!!

Chegou o agente mais divertido, trapalhão e… misterioso de sempre!!! Ao que parece, o Donald já tinha sido agente secreto, mas quando deixou de o ser, a sua memória foi apagada pela agência para que nenhum segredo fosse revelado. Agora, o mundo precisa de toda a sua “perícia” para cumprir as missões mais arriscadas e inacreditáveis!!! É um grande especial, com textos e desenhos fantásticos por alguns dos autores mais conceituados, tais como Fausto Vitaliano, Andrea Freccero, Marco Bosco, Marco Mazzarelo e Giorgio Cavazzano, entre muitos outros! Esta é a tua missão: vai até à banca mais próxima e entra na aventura com… Disney Especial Double Duck!!!

Disney Especial Double Duck é para ser lido… e não remexido.

Já nas bancas!!!

ÍNDICE
7 Doubleduck – Parte 1
45 Doubleduck – Parte 2
77 Doubleduck – Parte 3
113 Doubleduck – Parte 4
151 Doubleduck – Antes da estreia
189 Doubleduck – Lembrança de Paris
225 Doubleduck – Botão de reset total
261 Doubleduck – Ilha Hong
293 Doubleduck – Segredos em exibição



















































Boas leituras
Deixa o teu comentário

terça-feira, 25 de março de 2014

Lançamento ASA / Público: Michel Vaillant

Em Nome do Filho - 02/04/2014 (Inédito)

No dia 2 de Abril dá início mais uma colecção ASA em conjunto com o jornal Público. A "vítima" é Michel Vaillant!

Uma colecção de 15 números a sair semanalmente e em que teremos oito livros inéditos em português. Dentro destes inéditos estão os dois primeiros livros da 2ª série, ou seja, onde Jean Graton não é o autor.
Gostaria muito que os livros inéditos tivessem sido editados em capa dura, mas neste momento a filosofia da ASA para estas colecções é mesmo a capa mole. Nada a fazer!
:(

Apresento as 15 capas, datas de lançamento e a nota de imprensa da ASA.

O Regresso de Michel Vaillant

Será certamente uma das noticias mais esperadas pelos fãs de banda desenhada (quadrinhos), mas não só. Numa nova parceria com o jornal “Público”, a ASA vai trazer de volta a Portugal as aventuras de alta velocidade de Michel Vaillant, personagem criada em 1957 pelo belga Jean Graton.

Será já a partir do dia 2 de Abril que os leitores deste jornal diário poderão adquirir, por 5,95€, um álbum da famosa série. Até 9 de julho, uma vez por semana, serão disponibilizados novos álbuns sendo que, dos 15 que compõem a colecção, 8 são inéditos em Portugal e os restantes encontram-se há muito indisponíveis no mercado.

Melhor ainda, a história do primeiro livro da colecção – Em Nome do Filho (2ª série), disponibilizado com o “Público” de 2 de abril –, passa-se numa corrida em Portugal, mais precisamente em Portimão, na qual participa o piloto Tiago Monteiro. O segundo livro a ser disponibilizado, no dia 9 de abril, tem o titulo Voltagem (2ª série) e é uma novidade absoluta, tendo sido lançado em França em dezembro de 2013.

Fique atento e…acelere com Michel Vaillant! Às quartas, com o Público!

Voltagem - 09/04/2014 (Inédito)
O Piloto sem Rosto - 16/04/2014
























O Circuito do Medo - 23/04/2014
A Rota Nocturna - 30/04/2014
























O Carro Nº13 - 07/05/2014 (Inédito)
A Traição de Steve Warson - 14/05/2014
























Os Intrépidos - 21/05/2014 (Inédito)
O Regresso de Steve Warson - 28/05/2014 (Inédito)
























Os Cavaleiros de Konigsfeld - 04/06/2014
Rali em Portugal - 11/06/2014
























Em Memória de David - 18/06/2014
Uma Aventura na China - 25/06/2014 (Inédito)
























Fora de Pista no Inferno - 02/07/2014 (Inédito)
24 Horas sob Pressão - 09/07/2014 (Inédito)
























Boas leituras
Deixa o teu comentário

sábado, 22 de março de 2014

Lançamento Goody: Hiper-Disney #16



Saiu ontem mais um Hiper-Disney, o décimo sexto!
Patos e Ratos para todos os que gostam das personagens Disney, e já agora, uma chamada de atenção aos papás a quem os filhos lhes pedem para comprar uma revista Disney... quando os vossos filhos lhes pedirem, COMPREM!
É barato, muito mais barato que telemóveis, jogos para Playstation e computadores, pastilhas e cromos.


Fiquem com a nota de imprensa da Goody:

Hiper #16 nas bancas!

Em Abril, quadradinhos mil! A primavera chegou e chegou também a altura de te dedicares à pesca… da tua nova Hiper!!! Como podes ver na capa, até o Tio Patinhas conseguiu juntar algumas moedinhas para a sua dose extra de diversão mensal!!!

Quem inaugura esta edição da melhor forma é mesmo o pato mais avarento de Patópolis, que se decide a procurar novas maneiras de lucrar! O problema é que tem o azar de ir ter com o génio errado (sim, daqueles das lâmpadas) e a sua sorte acaba por ser… o seu azar! É que aquele génio é mesmo muito chato!!! Falamos da história Tio Patinhas e o lamparinão de Aladão!!!

A seguir temos o maior aventureiro de sempre a lançar-se à acção em Indiana Pateta e a pista do alquimista! Uma história na qual é confiado um discípulo a Indiana, que o ajudará no caminho da descoberta da verdadeira fórmula da fortuna!!! A não perder.

Em Mickey e o fedelho de Mouseville, o rato mais popular de Ratópolis recua até aos anos 30 no Alabama, numa história em que ele demonstra toda a sua traquinice mas também toda a sua paixão pela Minnie! Mickey é rato para não desistir nunca!!!

Se já estavam a estranhar a falta dos irmãos que querem sempre roubar o protagonismo, então são capazes de estar interessados na história Os Irmãos Metralha em: A chegada de Penny! Aqui, os vilões mais trapalhões da BD Disney têm direito a uma pequena visita de uma pequena prima: a Penny!!! O problema é que a Penny parece atrapalhar um pouco as ocupações… profissionais dos irmãos! Hilariante!!!

Para acabar em grande só faltava… O Donald, claro!!! E vocês nem vão adivinhar em que situação mais bizarra se meteu o vosso pato preferido… Aparentemente há um novo vilão na cidade, o senhor Kubik, que ameaça transformar toda a plantação de algodão do Tio Patinhas em cubos!!! Entram então ao serviço o Donald e o Peninha, como agentes Qua-Qua 7 e o Me-Se 12 da P.I.A.! Esta “missão” tem o título Donald e a ameaça cúbica!!!

Não percas estas e muitas, muitas outras histórias na tua Hiper de sempre!
Hiper é diversão ao quadrado!!!

ÍNDICE
07 Tio Patinhas e o lamparinão de Aladão
41 Indiana Pateta e a pista do alquimista
70 Donald Menino e a corte por incumbência
93 Mickey, o fedelho de Mouseville
143 O Corsário Gansolino volta a atacar
167 Mickey e o beijo espacial
177 Os Irmãos Metralha em: A chegada de Penny
203 Prof. Pardal e o ajudante devastador
227 Donald – Ás da fotografia
245 Mickey e o empecilho temporal
268 Gastão – Guardião sortudo
299 Donald e a ameaça cúbica

RISADAS DE UMA PÁGINA!
40 Os Irmãos Metralha: A arte da fuga – Saída de emergência
69 Pmítico Esquálidus – Esquecimentos
202 Brevet de voo – A aterragem

























Boas leituras
Deixa o teu comentário